Preciosidade dos Ovos Fabergé



Sabemos que a Páscoa é uma data celebrada nos quatro cantos do mundo que

representa renascimento, e o objeto que segue tal dia são os deliciosos ovos de chocolate.


Porém, para a realeza russa durante o período Czarista, os ovos eram bem mais sofisticados, conhecidos como os famosos Ovos Fabergé.


Em 1884, o Czar Alexandre III encomendou ao joalheiro oficial da corte imperial russa, Peter Carl Fabergé, um ovo como presente para sua esposa, a Imperatriz Maria Feodorovna, contendo uma surpresa, a critério do joalheiro. No caso desse primeiro ovo, a surpresa era uma galinha colocando uma safira. O sucesso na Corte foi enorme. A cada ano o Czar encomendava um novo ovo para dar à Czarina na Páscoa, cabendo a Fabergé confeccioná-lo como bem quisesse. Com a morte do Imperador, seu filho, o Czar Nicolau II, prosseguiu com a tradição, encomendando a Fabergé dois ovos por ano, um para sua mãe e outro para sua esposa, Alexandra.


Os materiais utilizados por Fabergé incluíam os metais prata, ouro, cobre, níquel, paládio e platina que eram combinados em proporções variadas a fim de produzirem diversas cores. Além de utilizar a técnica de esmaltagem plique-à-jour assim como pedras preciosas como rubi, quartzo, diamante, jade, ágata.


Com cerca de 13 cm, cada ovo era único e levava o ano inteiro para ser confeccionado, desde o desenho original, o corte, a lapidação das pedras e todos os detalhes. É um ovo mais hipnotizante que o outro devido a quantidade de detalhes, cores vivas e brilho. 9 dos 40 ovos imperiais podem ser vistos no Museu Fabergé, em São Petesburgo, no Palácio Shuvalov.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo